Arquivo do mês: abril 2014

Imagem

Foi pra isso sim (2)

Joaquim barbosa simpsons foi pra isto sim

Edson Santos: “O porquê do ódio a Dirceu”

Artigo publicado na página do deputado

A trajetória política de José Dirceu teve início em 1965, quando se tornou líder do movimento estudantil e chegou a ser presidente da UNE. Foi preso em 1968, durante o 30º Congresso da UNE, organizado clandestinamente. No ano seguinte foi libertado junto a outros 14 presos políticos, em contrapartida à libertação do embaixador dos EUA Charles Burke Elbrick, sequestrado por corajosos militantes que ousaram pegar em armas para resistir à ditadura militar.

Banido do país, José Dirceu trabalhou e estudou em Cuba durante o exílio. Destemido, voltou ao Brasil clandestinamente em 1971 e em 1974. Só voltaria à legalidade em 1979, com a anistia política e o início do longo processo de abertura. No ano seguinte, participou ativamente da fundação do PT, partido que logo se tornaria a principal ferramenta de organização política dos trabalhadores brasileiros, diretamente responsável pela fundação da CUT, em 1983, e com forte influência sobre a criação do MST, em 1984.

Feita a opção política pela luta no campo institucional, José Dirceu disputou as eleições de 1986 e foi eleito deputado estadual pelo PT de São Paulo. Em 1990 elegeu-se deputado federal e em 1994 concorreu ao Governo do Estado, quando recebeu dois milhões de votos. Voltaria a se eleger deputado federal em 1998 e em 2002, com a segunda maior votação do país naquele ano.

Assumiu a presidência do PT em 1995, sendo reeleito por três vezes, até que se licenciou em 2002 para coordenar a campanha vitoriosa que levaria Lula a se tornar o primeiro operário eleito presidente do Brasil. Com o início do governo, Dirceu assumiu a função de ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República.

Para que Lula pudesse conduzir o inédito acordo social que permitiu ao Brasil crescer com distribuição de renda, Dirceu carregou o piano da articulação política. Internamente, enquadrou as correntes partidárias e capacitou o PT para enfrentar o jogo pesado da política institucional. No âmbito externo, ajudou o Partido a superar barreiras que poderiam comprometer a governabilidade, forjando pactos com os operadores dos grandes interesses de Estado, com o mercado, com os militares e com a mídia.

Sua incomum visão do todo e capacidade de aglutinação política, no entanto, logo o transformariam em alvo. Os problemas começaram em 2005, quando o deputado Roberto Jefferson foi acossado por denúncia de corrupção praticada por um de seus indicados nos Correios. Era uma armação do bicheiro Carlinhos Cachoeira, em associação com a revista Veja, que procurava desalojar da estatal o grupo de Jefferson. Mas o então presidente do PTB julgou que a denúncia tinha partido do “superpoderoso” Dirceu. Foi o estopim do conhecido “mensalão”, hoje o sabido “mentirão”, que viria a revelar a hipocrisia política, o uso seletivo das denúncias e o falso moralismo do Judiciário.

Dirceu foi pré-julgado pela imprensa e sofreu um linchamento midiático sem precedentes, diariamente, em rede nacional. Negou-se a renunciar e teve seu mandato cassado. Transformada em circo midiático com transmissão ao vivo das sessões e massacrante cobertura da imprensa oligopolizada, a Ação Penal 470 (AP470) foi marcada por arbitrariedades e infrações à Constituição. Os réus foram condenados sem direito ao duplo grau de jurisdição e, no caso de Dirceu, sem qualquer prova de envolvimento com ilicitudes. Sem dúvida, foi o mais vexaminoso julgamento de exceção já vivenciado na história do Brasil.

Em 2013, às vésperas do aniversário da República, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, buscou apropriar-se do simbolismo da data e mandou prender José Dirceu e José Genoíno – outro herói da democracia brasileira. Com dinheiro público, Barbosa promoveu deprimente espetáculo ao usar um camburão a jato para transportar os “perigosos meliantes” algemados de São Paulo a Brasília, em pleno feriado nacional. O fez sem aguardar a conclusão do julgamento e, numa clara violação dos direitos dos réus, sem possibilitar à defesa as condições de estabelecer o contraditório, garantia consagrada pela tradição jurídica brasileira.

Ao cabo, a AP470 evidenciou a primazia da vingança sobre a justiça. O resultado foi muito aplaudido pelos adeptos de torpes mantras como “preto é tudo ladrão” e “bandido bom é bandido morto”. Um pessoal que acha que o Governo “não tem que dar bolsa esmola pra vagabundo”, mesmo sabendo que o Programa Bolsa Família tirou 35 milhões de brasileiros da miséria e reduziu a mortalidade infantil em 17%.

O recolhimento ao cárcere, no entanto, não impediu que Dirceu e Genoíno continuassem a ser perseguidos. Este cumpre prisão domiciliar fora de seu estado, sem acesso aos meios adequados para tratar a grave cardiopatia que lhe acomete. Enquanto o outro cumpre pena em regime fechado, embora tenha sido condenado ao semiaberto, enfrentando uma série de armadilhas institucionais montadas por Barbosa e pela mídia para lhe impedir o direito de trabalhar fora da penitenciária.

José Dirceu é odiado, atacado e perseguido por tudo o que representa. Tinha tudo para ser um operador político das elites, mas fez a opção de, por meio de sua militância, ser um instrumento para a chegada do povo ao poder. Em grande medida graças a Dirceu, o PT entrou no jogo para ganhar e fez o que deveria ser feito para chegar ao poder, inverter as prioridades da administração pública e promover a maior transformação social já registrada na história do Brasil. Companheiro Zé Dirceu, saiba que não descansaremos ou nos calaremos enquanto esta grande injustiça não for desfeita.

Deputado federal Edson Santos (PT/RJ)

A cardiopatia de Genoino e as doenças especificadas em lei

POR ZÉ GOMES

O autor é médico do trabalho e oftalmologista. Trabalhou muitos anos com perícia médica.

A cardiopatia grave do Deputado José Genoíno – Palpites

Escrever sobre assuntos técnicos é cansativo. Mas, assim como para o rei da França, Paris vale uma missa, o Deputado José Genoíno, pelo que representa para a democracia brasileira, vale o esforço do debate. Vamos lá:

Qual a importância das doenças “nobres” ou doenças especificadas em lei?

Se você é o infeliz –ou feliz?- doente de algumas doenças chamadas “doenças especificadas em lei”, você tem alguns direitos que os outros não têm, seja você servidor público (RJU) ou trabalhador segurado do INSS (RGPS).

            A Lei garante esses direitos não só para o petista José Genoíno, mas Continuar lendo

Relatório médico confirma FARSA do laudo da UNB em novembro de 2013

 

 

O Dr. Geniberto Paiva Campos foi sutil. Digamos, delicado. Apenas apontou que: “embora o paciente não possa ser enquadrado nos critérios atuais de cardiopatia grave, devem ser consideradas (dissecção aguda da aorta), descrita como evento catastrófico de alta mortalidade na fase aguda (Braunwald, 2013) e de prognóstico reservado. Sua associação a diversas intercorrências clínicas, no presente caso, tornam o prognóstico mais reservado, a saber: a aterosclerose coronariana, o acidente vascular cerebral, que obrigou ao uso continuado de anti-coagulantes orais, e a síndrome depressiva, deflagrada em paciente idoso, configurando uma condição de alto risco cardiovascular“.

Eu não tenho estas amarras pois não sou médico, sou apenas um blogueiro, coincidentemente cirurgião-dentista e Doutor em Patologia (UFMG), professor de anatomia da UFMA. E publiquei em novembro de 2013 o que seria a FARSA da JUNTA MÉDICA DA UNB…. eu sinto vergonha alheia por eles…. tá tudo descrito em postagem linkada a seguir.

https://partidodaimprensagolpista.wordpress.com/2013/11/29/laudo-medico-da-unb-uma-farsa/

e

https://partidodaimprensagolpista.wordpress.com/2013/11/26/porque-considero-uma-temeridade-o-laudo-pericial-da-junta-medica-da-unb-ou-eles-lavaram-as-maos/

 

Estudantes denunciam coarção de professor de anatomia da UFMA em apoio à Ditadura e contra o Partido dos Trabalhadores

Nesta semana, um estudante da UFMA entra em contato com o editor deste blog, e relata que os alunos estão sendo constrangidos por um professor da UFMA.

Na mídia social, Facebook, uma aluna relata que foram enganado e sofreram coerção por parte do professor.

Carla Lopez

Recebi a seguinte denúncia: “no dia 31/03/2014 infringiu a lei supracitada ao aproveitar-se indevidamente do cargo de professor de anatomia para promover manifestação de desapreço, incitando os alunos a apoiar um movimento contra um partido político (ato estranho aos interesses da função pública), na sala de aula do Departamento de Morfologia. Os alunos, temerosos de perseguição em sala-de-aula, aderem, mesmo que involuntariamente, a essa manifestação, tendo suas liberdades ideológicas e políticas tolhidas.”

Abaixo matéria publicada hoje (01.ABRIL.2014) no Blog do Diego Emir.

Médico e professor da UFMA sai em defesa do regime militar e diz ter saudade dos tempos da ditadura

Sempre desconfie de alguém que inicia seu discurso afirmando, que um certo movimento político que está organizado não há nenhum interesse partidário e próprio por trás. E um bom exemplo, chama-se Allan Garcês (médico e professor da UFMA e CEUMA).
 
Allan Garcês em protesto o ano passado favorável a classe médica. Ele deveria lembrar, que se o período militar já não estivesse no passado, ele não poderia levantar a mão e muito menos a voz pedindo melhorias para a sua profissão
Em 2011, este senhor aproveitou as estruturas políticas da UFMA e outras faculdades de São Luís para lançar o Movimento pela Saúde da Saúde do Maranhão. Na época organizou uma grande caminhada com apoio de Centros e Diretórios Acadêmico da UFMA, CEUMA, CEST, Florence e outros. Porém em seus discurso sempre era dito não vamos criticar o governo municipal (na época o prefeito era João Castelo), pois segundo o próprio o problema vinha de cima da esfera federal.
 
Um ano depois, eis que surge como candidato a vereador na chapa do PSDB e do ex-prefeito João Castelo, o médico e professor Allan Garcês. Uma grande decepção e até sentimento de raiva surgiu em diversos estudantes que se sentiram usados naquela pré-campanha eleitoral antecipada. No final das contas o médico teve 1330 votos, o que lhe deu a quarta suplência no seu partido.
 
Pulando esse período, Allan volta a atacar, dessa vez defendendo o inacreditável. Em sua rede social Facebook, ele postou um breve texto em defesa do regime militar e o insulto ao atual do governo.
 
Criticar partido A ou B, ok. Isso é liberdade de expressão, mas defender um governo opressor, que tirou uma série de direito das população é injustificável, só o faz quem se beneficiou deste estado.
 
Vivemos um momento de reflexão e de lembranças das atrocidades cometidas pela ditadura militar, inclusive toda poderosa Rede Globo admitiu o erro de ter apoiado o golpe de 1964. No entanto o médico Allan Garcês vai de encontro a tudo isso e faz apologia ao regime militar como forma de combater o PT e o governo da presidenta da Dilma, partidos o qual ele tem aversão por ser filiado no PSDB.


Veja o que o médico escreveu recentemente em sua página pessoal na rede social Facebook:

MAIS DE UMA DÉCADA DE INCOMPETÊNCIA

Tenho 44 anos e sou do tempo em que neste país cantávamos o Hino Nacional e o Hino da Bandeira na escola. Havia um estímulo ao patriotismo e amor pelo Brasil. Época boa era o regime militar, sim. E porque, não? Muitas coisas foram feitas pelos governos militares e não me venham os comunistas criticarem os governos militares. Os militares tiveram um projeto de governo para o futuro, eles pensaram o Brasil para 20, 30 ou 50 anos e o que vemos nos governos que o sucederam? E o que vemos neste mais de uma década do governo PT? o que eles fizeram de concreto para desenvolver o país, pensando nele para os próximo 30 ou 50 anos? A resposta é muito simples: NADA. Existe uma política de governo irresponsável que pensa no país para o momento e não para o futuro. São imediatistas e populistas, trabalham combatendo incêndio, não possui uma linha de ação estratégica com a finalidade de desenvolvimento. Eles NÃO pensaram no Brasil e nem no povo, mas pensaram neles e em suas famílias para os próximos 50 anos. Basta ver como estão ricas as famílias dos chamados “socialistas” do mensalão, começando pelo Lula e seu filho que enriqueceu da noite para o dia. Agora veja as nossas reservas nas hidroelétricas, opa! racionamento de energia a vista. E a economia em queda com a Inflação em alta? Até a Petrobrás que era a 12º empresa mundial, hoje é a 120º. PARABÉNS PT, NUNCA NA HISTÓRIA DESTE PAÍS SE CONSEGUIU FAZER TANTO (CORRUPÇÃO, ESCÂNDALOS e MENTIRAS) COM TÃO POUCO PELO BRASIL. É vergonhoso? NÃO, mas é revoltante. Eles não tem escrúpulo, nem vergonha na cara. Isso tudo, pode não afetar os eleitores do PT, mas com certeza afeta, os eleitores que trabalham para manter os eleitores do PT vivos.

Além de saudosista do autoritarismo e do arbítrio dos anos de chumbo, o “Doutor Ódio” é acusado ainda de usar a estrutura da Ufma para difamar a presidenta e incitar o ódio nos alunos contra Governo Federal, principalmente em relação ao programa Mais Médico, como se vê na imagem abaixo onde os alunos aparecem segurando cartazes com frases do tipo “Dilma e o PT fazem mal à saúde”, “Dilma nunca mais”, entre outras.
Informado sobre as agressões de Allan Garcês contra o PT e Dilma, o presidente estadual do partido, Raimundo Monteiro, disse que irá reunir o material divulgado pelo professor para tomar as medidas cabíveis que o caso requer.
“A princípio parece um comportamento inadequado para um professor universitário. Vamos reunir as imagens e entregar para os advogados do PT no sentido de saber se cabe alguma ação judicial contra o senhor Allan Garcês”, disse.
As ações de Allan Garcês é vista como ilegal em várias aspectos, inclusive fere de morte a ética profissional, já que usa espaço público de trabalho para disseminar posturas incompatíveis com o ambiente de tolerância democrática de uma universidade.
Médico Allan Garcês (centro da foto) entre os alunos

* Com informações do blog do Robert Lobato

http://www.diegoemir.com/2014/04/medico-e-professor-da-ufma-sai-em.html?spref=fb