MC Criolo: Hoje, “Se pisarem no seu pé, diga: desculpa, irmão, meu pé estava embaixo do seu.” Vamos em Paz.

 

Criolo canta rap sobre violência na Bahia e no Pinheirinho

Claudio Leal
De Salvador (BA)

 

Amedrontada pela greve da Polícia Militar, Salvador começa a sair do breu com as armas da música. O primeiro gesto partiu do compositor Moraes Moreira, que se negou a desmarcar um show no Clube Fantoches, na contramão de artistas como Ivete Sangalo e Carlinhos Brown. Além de enfrentar o clima de medo, Moraes peitou a sabotagem de um radialista local, que chegou a anunciar o fechamento do espaço.

Não houve tumultos. Ao lado de Davi Moraes e Pepeu Gomes, o ex-integrante do Novos Baianos contou que foi chamado de “irresponsável”. “Pelo contrário, sou muito responsável”, reagiu no palco. Em seis dias de motim, houve 86 mortes em território baiano.

Na noite deste domingo (5), outro gesto contra o pânico: o rapper Criolo manteve sua apresentação na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, no encerramento do congresso Digitália. Com a lotação de cinco mil pessoas quase completa, o músico tocou o repertório de “Nó na Orelha” e ainda ensaiou uma nova canção, cuja letra faz referência à violência na Bahia e aos abusos da polícia do Estado de São Paulo durante a reintegração de posse do Pinheirinho, em São José dos Campos. A favela paulistana de Moinho, atingida por um incêndio em dezembro, também é citada.

“Agradeçam por estarem vivos”, introduziu. Depois de pedir silêncio, Criolo puxou o rap anotado num papel: “Hoje pegou fogo no Moinho/ Abandonaram o Pinheirinho / E o sangue escorre no Pelourinho”. Emendou o protesto com “Não existe amor em SP”.

O tecladista Daniel Ganjaman declarou que esse era um dos melhores shows da história do grupo, “face a este momento” na capital baiana. No final, Criolo pediu aos espectadores para “voltarem em paz”. “Se pisarem no seu pé, diga: desculpa, irmão, meu pé estava embaixo do seu”.

“Juntos somos fortes!”, reforçou o cantor.

“É nóis, Criolo!”, gritou um fã.

Outra mensagem silenciosa contra o medo estava encarnada na presença dos compositores Caetano Veloso e Gilberto Gil na plateia. No retorno para casa, acompanhado por Flora, sua mulher, Gil caminhou tranquilamente pelo Largo do Campo Grande. As ruas do centro de Salvador estão ocupadas por tropas do Exército, mas, à noite, permanecem desertas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s