Se Lula sabia? Se Dilma sabia? É claro que sabiam. Todos sabíamos.

Manchetes e mais manchetes gritando: Lula sabia! Dilma sabia!
E um bando de papagaios repetindo em coro: Lula sabia! Dilma sabia!
Lula sabia e Dilma sabia de corrupção na Petrobrás. Aliás, continuam sabendo de corrupção na Petrobrás.
E nós também sabíamos de corrupção na Petrobrás. E continuamos sabendo.
Aliás todos sabiam e sabem. O Ministério Público, a Polícia Federal, o STF, e você.
Quem é que não conhece o esquema do Brasil?
E mais, sabemos de corrupção no Banco do Brasil, e na TV Brasil.
Nos Correios e na CBTU
Na EBSERH e no NUCLEP
No CEPEL e na CEASA
Na CHESF e na Polícia Federal
Em cada Universidade Federal, e nas Estaduais também
Em quase todas as unidades da Estratégia de Saúde da Família espalhadas pelo Brasil
No Senado e na Câmara dos Deputados, não escapa o Congresso Nacional
Nas Câmaras Legislativas de cada Unidade da Nação, e nas Câmaras dos Vereadores de Alô Brasil
Aliás, também de Curitiba, Vitória, Belém, Cuiabá e Teresina
E como se não fosse pouco, sabemos também de corrupção na Vale e na Samarco
Na Odebrech e na Oi, Tim e Claro, bem como Itaú, HSBC e Bradesco
Na Globo, no SBT e na Band
No comércio da esquina
E até em corrupções de membros da família, e aquelas escondidas em sua própria memória.
E neste momento em que todos conheciam o esquema do Aécio, quem não conhece?
Neste momento, a Dilma não interrompeu a Lava Jato, e por isso, quiseram interromper a Dilma.
Só tem um jeito e é sem ela disse o Sarney, o Jucá, o Machado e até magistrados e generais.
Já caiu a ficha, e o primeiro a ser comido será o Aécio.
E sua ficha já caiu? porque senão o primeiro a ser comido será é você.

It’s a coup! and Supreme Justice is involved

The dialogue recordings between the Michel Temer’s strongman, the Planning Minister Romero Juca, and ex-president of Transpetro, Sergio Machado, are much more serious than that made with former senator Amaral Delcídio and should if the Supreme Court still had one iota of shame, not only lead to the arrest of Juca, but the cancellation of all acts under the command of the PMDB to Dilma Mousseff away.
“You have to solve this shit. Have to change the government to stop this bleeding, “said Juca, one of the organizers of Dilma impeachment. Machado said it was necessary “policy and quick thing.”
In the text, revealed by Folha, “the fuck” are the investigations of Machado, one of the PMDB operator Petrobras within the complex, away for Dilma,

But do not stop there:
“Juca added that any government Michel Temer should build a national pact” with the Supreme with everything. ” Machado said, “then I stop everything.” “IT IS. Demarcating where you are ready, “said Juca, about the investigations.
The senator also reported that he had held talks with “ministers of the Supreme,” which not nominou. In Juca version to ally, they would have related to output Dilma after the pressures of the press and other sectors by continuing investigations of Lava Jato. ”
JUCÁ – [Quietly] I spoke yesterday with some ministers of the Supreme. The guys say ‘O, one is able to [inaudible] without it [Dilma]. While she is there, the press, the guys want to take it, this shit will never stop ‘. Understood? So … I’m talking to the generals, military commanders. It’s all quiet, the guys say they will guarantee. They are monitoring the MST, do not know what, not to disturb.
As it is, you ministers of the Supreme? Means that the coup scheme had “held talks” with you? It was exactly that made you run to hold the Amaral Delcídio, a just like recording?
Worse, by the way, because there it was to rid a person and now it is a conversation to give a coup.
They will make poker face or apply rigor equal to Juca?
Worse, because now, if the recordings were obtained in a legal manner, from March to PGR is fully aware of the conspiracy.
That makes it clear what it says Juca also involved toucans [PSDB]:
MACHADO – The situation is serious. For Romero, they want to catch all the politicians. It is the one document that was given …
JUCÁ – Ending the political class to rise again, building a new breed, pure, which has nothing to do with …
MACHADO – That, and catch everyone. And the PSDB do not know if it hit already.
JUCÁ – fell. All of them. Aloysio [Nunes, Senator], [today Minister Jose] Serra, Aécio [Neves, a senator].
MACHADO – The other shoe fell. Tasso [Jereissati] also fall?
JUCÁ – also. Everyone in the tray to be eaten.
Machado, who was the PSDB before joining the PMDB and enter the party quota within the Lula government also devastates Aécio Neves, reports Folha:
Sergio Machado, who was the PSDB before joining the PMDB, states that “the first to be eaten will be the Aécio [Neves (PSDB-MG),” and adds: “The Aécio can not afford, we know that, Cum. Who does not know? Who does not know Aécio scheme? I, who attended the PSDB campaign … “.
“Yes, we lived all,” adds Juca, without advancing in the details.
Machado tries to refresh the memory of Juca: “What we did together, Romero, that election to elect deputies for him [Aécio] be mayor?” There was Juca response. Aécio chaired the House of Representatives between 2001 and 2002.
Has more, much more, and in a moment I’ll be back to comment.
Even this morning will end with someone arrested as he was with Delcídio.

FROM: http://www.tijolaco.com.br/blog/pacto-com-o-supremo-para-estancar-sangria-da-lava-jato-juca-revela-o-acordo-do-golpe/?_utm_source=1-2-2

 

LULA – Pronunciamento Histórico 04 de março de 2016

Companheiros com Paulo Okamoto, Clara Ant. Não precisava. Era só ter convidado. Antes dele, nós já éramos democratas. Antes deles, a gente já fazia as coisas corretas neste País. Porque enquanto muitos deles não faziam nada, a gente estava lutando para que este País conquistasse o direito de liberdade de expressão. O direito de uma imprensa livre. O direito de candidatura, de criação de partido político, o direito de greve. Então era só ter comunicado que nós iríamos lá. Lamentavelmente eles preferiram utilizar a prepotência, a arrogância. Num show e num espetáculo de pirotecnia. Porque enquanto os advogados não sabiam nada, alguns meios de comunicação já sabiam. Então é lamentável. É lamentável que uma parcela do poder judiciário brasileiro esteja trabalhando em associação com a imprensa. Antigamente você tinha a denúncia de um crime. Você ia investigar se existia aquele crime e se existia o criminoso. Hoje a primeira coisa que você faz é determinar quem é o criminoso, depois que você denominou o criminoso, colocou a cara dele na imprensa, você então vai criar os crimes que ele cometeu.

Eu queria falar ao povo brasileiro e falar a vocês via os microfones da imprensa primeiro para pedir desculpas à Marisa e meus filhos pelos transtornos que eles passaram. Enquanto nenhum destes que foram em minha casa trabalhavam, com onze anos a Marisa já era empregada doméstica. Eu acho que ela merecia respeito. Segundo, não há nenhuma explicação porque que foram atrás de meus filhos. Nenhuma explicação, a não ser o fato de eles serem meus filhos. Nenhuma. Terceiro, eu quero dizer à Clara Ant, coitada, que foram na casa dela de manhã. Sabe? Que foram na do Paulo Okamoto. Que foram no sindicato. Sabe? Quero só pedir desculpas porque hoje neste País ser amigo do Lula parece que virou uma coisa perigosa. É preciso criminalizar o PT. É preciso criminalizar o Lula porque estes caras podem querer continuar no Governo. Eu só consigo entender uma explicação pra tudo isto. Porque não há outra coisa para incomodá-los a não ser a gente ter trabalhado durante todos estes anos pra fazer com que as pessoas do andar de baixo subissem um degrau na perspectiva de chegar no andar de cima. O velho Frias, dono da Folha de São Paulo, quando era vivo, dizia assim pra mim ouvir: “Oh, Lula, você precisa parar de querer subir degrau. Os do andar de cima não vão deixar vocês chegaram no andar de cima. Não vão. A elite brasileira é muito conservadora. Ela tem complexo de vira-latas. E nós crescemos. Chegamos na presidência. E nós provamos que os pobres que eram a razão da desculpa deles por não fazerem nada neste País. Sempre que a gente perguntava. Não dar pra gente fazer porque o Brasil é muito pobre, tem muita pobreza. Nós provamos que os pobres não eram o problema, e que os pobres viraram a solução deste País. Na hora que nós fizemos os pobres terem acesso às universidades, ter acesso ao mínimo elementar para comer, ter acesso ao emprego, ter acesso a benefícios como o Programa Bolsa Família, o Programa Luz para Todos, o PRONATEC. Isso incomodou muita gente. E é preciso destruir este avanço dos debaixo.

Pois bem, eu deixei a presidência e achei que tinha cumprido com minha tarefa. Eu sinceramente achei que ao eleger a Dilma, eu tinha consagrado a minha vida. Porque eu tinha duas teses. O presidente bom é aquele que se reelege. E bibom é aquele que faz sucessor. Então eu já me considerava bibom porque tinha elegido a Dilma, e fiquei tribom porque ela foi reeleita. E eles estão desde o dia 26 de outubro de 2014 não permitindo que a Dilma governe este País. Eu vi um delegado da Polícia Federal dizer um dia desses, quando indicaram o novo ministro da Justiça, que eu nem sei quem é, o delegado dizer, sabe? “tentar mudar ministro agora é tentar mexer num sei com quem, porque nós precisamos de autonomia funcional, e autonomia administrativa.” Eu queria aproveitar todos estes microfones aqui pra eu dizer o seguinte: se tem alguém neste País que precisa chama-se Presidenta da República, porque ninguém quer que esta mulher governe este País. Estão ceceando a liberdade desta mulher em governar este País. Portanto a minha indignação é pelo fato de seis horas da manhã terem chegado na minha casa vários delegados. Aliás muito gentis. Muito gentis. Não sei se são sempre assim, mas muito gentis. Sabe? Pedindo desculpas porque estavam cumprindo uma decisão judicial e a decisão era do Juiz Moro que podia ter mandado um ofício “Oh, Luís Inácio não quer prestar um depoimento em Curitiba?” Que eu gosto de Curitiba. Eu poderia ir lá em Curitiba. Me facilitavam. O PT me pagava uma passagem pra Curitiba. Poderiam me convidar para ir a Brasília. Que eu ia. Mas eu me senti prisioneiro hoje de manhã. Prisioneiro. Eu sinceramente já passei por muitas coisas na minha vida. Eu não sou homem de guardar ressentimentos, de guardar mágoas, mas eu acho que o nosso País não pode continuar assim. O nosso País não pode continuar amedrontado. O nosso País não pode ver qualquer juiz que pune alguém porque recebeu um prêmio da Rede Globo, um prêmio da Revista Veja, um prêmio num sei de quem, e, a partir do prêmio, todo dia tem que contas. Antes dos advogados saberem que seu cliente vai ser chamado, a imprensa recebe. Eu vou dizer pra vocês uma coisa. Eu sou um homem que acredita em Instituições de Estado forte. Não sei porque mas eu acho que as Instituições fortes é a garantia do Estado Democrático contra a arrogância, a prepotência dos governantes. E vocês sabem que desde a Constituinte eu briguei para ter um Ministério Público forte. Vocês sabem que eu cheguei na presidência, a primeira coisa que eu fiz foi instituir uma coisa que eu trazia do movimento sindical. Eu vou indicar sempre o primeiro da lista indicado pela corporação. Pela minha formação corporativa de sindicalista. Tem que ser o primeiro reitor, tem que ser o primeiro procurador. Era tudo primeiro. Eu adotei isto no Brasil. E não me arrependo. Mas é importante que os procuradores saibam que uma instituição forte. Uma instituição muito forte tem que ter pessoas muito responsáveis. E o cidadão que fez alguma denúncia contra mim, ele na verdade são cúmplices. Uma obedece às orientações da Revista Época. Quando nós desmentimos a Revista Época, o procurador resolveu fazer o papel da Revista Época e pedir investigações das minhas palestras.

Que milagre vocês fizeram para aprovar as cotas colocando os negros nas universidades? Que milagre vocês fizeram pra aprovar o Prouni? Que milagre vocês fizeram para aprovar o FIES? Que milagre vocês fizeram para levar energia a 15 milhões de pobres neste País? Qual foi o milagre que vocês fizeram para o salário mínimo crescer todos estes anos? Qual foi o milagre? É isto que as pessoas queriam saber. E é por isso que eu me transformei no conferencista mais caro do mundo, junto com o Bill Clinton. Aliás ele foi meu paradigma. Ele foi. É importante dizer que eu falo com orgulho, várias empresas que agenciam vários presidentes, Kofin Anan. Sabe? Tony Brair. Braum. Sarkozi. Shirac. Todo mundo queria me empresariar. E Clara Ant falou: Não. Aqui no Instituto quem vai empresariar somos nós do Instituto. Você é um produto nacional. Eu tenho orgulho deste produto nacional. E quanto vai cobrar? Quem é que cobra mais? É o Clinton? Então vai ser igual ao Clinton. Paga quem quiser. Contrata quem quiser. E tem mais. Para contratar tem que pagar transporte. Tem que pagar assessoria. Tem que pagar porque não são pouca coisa. Eu não tenho complexo de vira-latas. Eu sei o que eu fiz neste País. Eu sei o orgulho e a auto-estima deste povo. Engraçado que as pessoas estranham que eu cobro duzentos mil dólares, não se preocuparam do Clinton vir aqui na CNI no mês passado e cobrar um milhão só da CNI. O vira-latas bate palmas. Nossa como ele fala bonito. Nem entendo o que ele fala, mas como ele fala bonito. Falou tão bonito que eu não entendi. Eu lamento. Imagina as perguntas sobre as palestras. Vocês imaginam as perguntas sobre as medidas provisórias. Um delegado de polícia que quer saber o que aconteceu com as medidas provisórias não tem que perguntar pro presidente. Ele tem que ir no Congresso Nacional e perguntar para todos os deputados e senadores que votaram favoráveis. Tem que perguntar para todos os relatores das comissões e não pro Lula, pra Dilma. Este é o último que sabe. Porque a medida provisória vai passando por Ministério até chegar pro presidente assinar. Vai pro Congresso e volta pro Presidente sancionar ou vetar. E você tem que responder estas coisas. Você tem que responder pelo acervo. Eles agora querem saber do acervo do Lula. Poderiam ter querido saber do acervo antes de me envolver nestas tranqueiras todas. Você sabe o que é alguém sair da presidência com 11 conteiners sem ter aonde por. Você sabe o que é sair com cadeira, com controle, com papel, com tudo que você possa imaginar? Porque se somar todos os presidentes da história deste País, desde Floriano Peixoto, eu fui o que mais ganhei presente. Porque viajei mais. Porque trabalhei mais. Porque viajei o mundo até trono da África. O que que eu faço com isso? É uma coisa do presidente mas é de domínio público. Eu tenho que tomar conta mas ninguém me paga. Mas então é o seguinte. O ministério público tá preocupado. Eu acho que é importante vocês oferecerem o acervo. Eles têm um prédio redondo lá de vidro fumê que pode guardar as coisas que eu tenho. Não me faz a menor importância a quantidade de relógio de ouro que eu tenho porque eu uso o meu simples aqui. Eu não vou fazer Merchendagem. Eu não quero relógio para valorizar meu pulso. Eu quero relógio para valorizar a hora. Eu quero saber se ele funciona ou não.

Então eu sinceramente fiquei indignado com este negócio de suspeição. Eu quero dizer, Rui Falcão, você que é presidente do meu partido, se a Polícia Federal, ou o Ministério Público, ou quem quer que seja encontrar um real de desvio na minha conduta eu não mereço ser deste partido. Não mereço. Mas agora eles precisam aprender que eu aprendi a andar de cabeça erguida neste País não por favor. Eu aprendi levantando três horas da manhã pra fazer manifestação em porta de fábrica. Eu aprendi fazendo comício em ponto de ônibus. Eu aprendi vendo companheiro levar borrachada na cabeça todo santo dia. E quero dizer que o que eles fizeram com este ato de hoje foi fazer com que a partir da semana que vem. A partir da semana que vem, eu quero dizer aqui à CUT, ao PT, ao Sem Terra, ao PCdoB, que a partir da semana que vem me convidem que eu estarei disposto a andar por este País pra fazer política. Porque não é possível ver este País virá vítima de uma teatro midiático em que coloca como corrupção um barco de quatro mil reais da dona Marisa. Eu se pudesse dava era um iate pra ela e não um barco de quatro mil reais. Se preocupando com pedalinho de dois mil reais que ela comprou pros netos. Se preocupando porque eu estou utilizando a chácara de um amigo. Eu uso a dos amigos, porque os inimigos não me oferecem. BEM QUE A GLOBO PODIA ME OFERECER O TRIPLEX DE PARATI. Podia me oferecer. Quem tem casa em Nova Iorque, em Paris, nunca me ofereceu. Eu ia. Sabe? Já se incomodaram em 1994 porque eu morava no apartamento do meu compadre Roberto Teixeira. Na casa dele. Já se incomodaram… quantas vezes? Quantas vezes o Estadão foi em Monte Alegre, em 1988, para saber se eu era o dono do sítio do Roberto? Ia no cartório de Monte Alegre. No cartório de Amparo. No cartório de Serra Negra. Isto é puro preconceito. Ou seja, todo mundo pode, menos esta merda deste metalúrgico. Eles partem do pressuposto que pobre nasceu pra comer em cocho. E eu aprendi que não. Eu quero comer comida boa. Vocês não imaginam hoje a preocupação com vinho? Vinhos que eu nunca comprei uma garrafa porque ganhei. E vinhos que eu não sei diferenciar um miolo gaúcho com um Romanée-Conti. Não sei diferenciar porque não faz parte do meu gosto. Eles mesmos que ficam indignados com os vinhos do meu acervo, quando vão na casa da elite brasileira ficam boquiabertos com os vinhos. Nossa que adega maravilhosa! Que vinho num sei lá das quantas! Eu gosto tanto de vinho. Eu estou tão habituado a tomar vinho que um dia um companheiro meu chamado Marcos Aurélio me deu uma coisa chamada… como é aquela coisa que bota vinho?… (faz um gesto com a mão)… decantador. Era um decanter. Eu achava maravilhoso chamar decanter. Eu cheguei em casa um dia, a dona Marisa tinha colocado flores. Rsss…. pra ver o tanto que eu gosto de decantee. Eu não sei como eles não me perguntaram do meu decanter.

Olhe eu não estou indignado com jornalistas, não. Eu estou indignado com o comportamento de determinados meios de comunicação. Eu estou indignado com o julgamento precipitado. Hoje quem condena as pessoas são as manchetes. Hoje amedrontam o poder judiciário. Hoje amedrontam o Ministério Público. Hoje amedrontam a Polícia Federal. E amedrontam os políticos. Eu tenho dito para meus queridos amigos do PT, só tem um jeito da gente levantar a cabeça. É a gente não ter medo.

Rios dos Macacos – Quilombo com área reconhecida

Finalmente, o Quilombo Rio dos Macacos teve sua área reconhecida, infelizmente ainda muito inferior do que a área original, e com a maior parte dela sob administração da Marinha. Mas que este reconhecimento altere a forma como a Marinha se relaciona com os moradores originais e verdadeiros donos.

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2015/11/incra-reconhece-area-da-comunidade-quilombola-rio-dos-macacos-na-ba.html

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) reconheceu terras da Comunidade Remanescente de Quilombo Rio dos Macacos, no município de Simões Filho, região metropolitana de Salvador. O terreno está situado em área de disputa  entre a comunidade quilombola e a Marinha do Brasil. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (18).

De acordo com o Incra, a área reconhecida possui extensão de 301,3695 hectares e foi delimitada pelo Relatório Técnico de Identificação e Delimitação (RTID), emitido em 2014.

Desse total, 104,8787 hectares serão destinados à comunidade quilombola e os outros 196,4908 hectares permanecerão sob administração da Marinha, uma vez que, conforme a decisão, a área é de “interesse estratégico à defesa nacional” por já ser utilizada há décadas pela Marinha…..

… CONTINUA… (Veja no link).

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2015/11/incra-reconhece-area-da-comunidade-quilombola-rio-dos-macacos-na-ba.html

 

 

Não é nada disto…. ou como os procuradores da república atuam politicamente

Em Dezembro último (2014), os procuradores da república ofereceram denúncia ao Ministério Público contra ALBERTO YOUSSEF,  PAULO ROBERTO COSTA e mais sete pessoas (Waldomiro, Aldemário, Agenor, Mateus, Ricardo, Fernando e João) por organização criminosa, formação de Cartel e crimes contra a licitação.

No documento apresentam contexto da investigação, ilustrados com esquemas da organização e Fluxograma dos recursos, além de tabelas.  Depois passam à individualização das condutas. Tudo descrito sob uma contextualização de cada crime.

O QUE CHAMA LOGO ATENÇÃO é que não se assemelha em nada com o espetáculo circense que eles (procuradores da república) apresentaram para a mídia. COMPLETAMENTE DIFERENTE. A impressão que tive que é que montaram uma farsa para o público. E neste caso nem se pode falar em manipulação da mídia, porque o espetáculo foi transmitido ao vivo.

SEGUNDA PARTE (Observações especiais)

No documento pode-se ler parte dos depoimentos de Paulo Roberto Costa.

Fica muito patente que ele confessou receber propinas ao lado de Alberto Youssef e José Janene. Que havia uma parte dedicada ao PP, e que ele tinha conhecimento de que ficava um parte para o PT, mas que ele não conhecia quem eram estes agentes, e não tinha contato com isto. O que ele depois repetiu para a CPI na Câmara dos Deputados, quando ele disse que “Não tinha conhecimento. Então não sabia. Apenas acreditava. Porque se ele recebia, porque o outro lá não recebia também? Mas que ele não sabia se recebia ou não recebia. E se recebia, como recebia também desconhecia.”

Já em relação a Youssef e a José Janene, isto era DIRETO. Ele recebia diretamente. E explica onde e quando, e quanto.

Paulo Roberto Costa explica que até 2008, José Janene comandava diretamente o esquema. Mas aí adoeceu e morreu.

Vale conhecer e saber que José Janene é acusado por Youssef de participarem juntos do esquema de distribuição de propina em caso de corrupção por vários anos em Furnas. A da famosa lista de Furnas.

José Janene e Alberto Youssef, segundo a imprensa e a CPi dos Correios, têm longa carreira juntos na bandidagem. E José Janene tem ligação com Aécio Neves.

Mas o que estão querendo é jogar no colo do PT e do Governos Lula/Dilma, crimes cometidos por pessoas ligadas ao pessoal de sempre do PSDB.

porque essas empresas já trabalham para Petrobras há muito tempo. E como eu mencionei anteriormente, as indicações de diretoria da Petrobras, desde que me conheço como Petrobras, sempre foram indicações políticas. Na minha área, os dois primeiros anos, 2004 e 2005, praticamente a gente não teve obra. Obras muito pe…, de pouco valor porque a gente não tinha orçamento, não tinha projeto. Quando começou a ter os projetos pra obras de realmente maior
porte, principalmente, inicialmente, na área de qualidade de derivados, qualidade da gasolina, qualidade do diesel, foi feito em praticamente todas as refinarias grandes obras para esse, com esse intuito, me foi colocado lá pelas, pelas empresas, e também pelo partido, que dessa média de 3%, o que fosse de Diretoria de Abastecimento, 1% seria repassado para o PP. E os 2% restantes
ficariam para o PT dentro da diretoria que prestava esse tipo de serviço que era a Diretoria de Serviço. […]
Juiz Federal: – Mas isso em cima de todo o contrato que…
Interrogado: -Não.
Juiz Federal: – Celebrado pela Petrobras?
Interrogado: -Não. Em cima desses contratos dessas empresas do cartel.
Juiz Federal: – Do cartel.”

.
No mesmo sentido, o interrogatório de YOUSSEF:
“Interrogado: -Sim senhor, Vossa Excelência. Mas toda empresa que… desse porte maior, ela já sabia que qualquer obra que ela fosse fazer, na área de Abastecimento da Petrobrás, ela tinha que pagar o pedágio de 1%. […]”
.

58 Cite-se, nesse sentido, o seguinte trecho do interrogatório judicial de PAULO ROBERTO COSTA na ação penal 5026212-82.2014.404.7000 (Eventos 1025 e 1101) – Anexo 13:
[…]
Juiz Federal: – Mas esses 3% então, em cima desse preço iam para distribuição para agentes públicos, é isso?
Interrogado: -Perfeito.
Interrogado: – (…). Quando começou a ter os projetos pra obras de realmente maior porte, principalmente, inicialmente, na área de qualidade de derivados, qualidade da gasolina, qualidade

Juiz Federal: – E como que esse dinheiro era distribuído? Como que se operacionalizava isso?
Interrogado: -Muito bem. O que era para direcionamento do PP, praticamente até 2008, início de 2008, quem conduzia isso, diretamente esse processo, era o deputado José Janene. Ele era o responsável por essa atividade. Em 2008 ele começou a ficar doente e tal e veio a falecer em 2010.
De 2008, a partir do momento que ele ficou, vamos dizer, com a saúde mais prejudicada, esse trabalho passou a ser executado pelo Alberto Youssef.
Juiz Federal: – E…
Interrogado: -Em relação, em relação ao PP.
Juiz Federal: – Certo. E o senhor tem conhecimento, vamos dizer, exat…, como funcionava, como esse dinheiro chegava ao senhor Alberto Youssef, os caminhos exat…, exatos que esse dinheiro tomava?
Interrogado: -O meu contato, Excelência, sempre foi a nível de Presidente e diretor das empresas, eu não tinha contato com pessoal, vamos dizer, de operação, de execução. Então, assinava o contrato, passava-se algum tempo, que, depois de assinado o contrato, a primeira medição que a PETROBRAS faz de serviço é trinta dias; executa o serviço, a PETROBRAS mede e paga trinta dias
depois. Então, normalmente, entre o prazo de execução e o prazo final de pagamento, tem um gap aí de sessenta dias. Então, normalmente, após esse, esses sessenta dias, é que era possível então executar esses pagamentos. Então, o deputado José Janene, na época, ex-deputado porque em 2008 ele já não era mais deputado, ele mantinha o contato com essas empresas, não é? Com o pessoal também não só a nível de diretoria e presidência, mas também mais pessoal operacional, e esses valores então eram repassados para ele, e depois, mais na frente, para o Alberto Youssef. Agora, dentro das empresas tinha o pessoal que operacionalizava isso. Esse pessoal eu não tinha contato. Não fazia contato, não tinha conhecimento desse pessoal. Então o que é que acontecia? É, vamos dizer, ou o Alberto ou o Janene faziam esse contato, e esse dinheiro então ia para essa distribuição política, através deles, agora…
(…).
Juiz Federal: – Certo, mas a pergunta que eu fiz especificamente é se os diretores, por exemplo, o senhor recebia parte desses valores?

Interrogado: -Sim. Então o que, normalmente, em valores médios, acontecia? Do 1%, que era para o PP, em média, obviamente que dependendo do contrato podia ser um pouco mais, um pouco menos, 60% ia para o partido… 20% era para despesas, às vezes nota fiscal, despesa para envio, etc, etc. São todos valores médios, pode ter alteração nesses valores. E 20% restante era repassado 70% pra mim e 30% para o Janene ou o Alberto Youssef.
Juiz Federal: – E como é que o senhor recebia sua parcela?
Interrogado: -Eu recebia em espécie, normalmente na minha casa ou num shopping ou no
escritório, depois que eu abri a companhia minha lá de consultoria.
Juiz Federal: – Como que o senhor, quem entregava esses valores para o senhor?
Interrogado: – Normalmente o Alberto Youssef ou o Janene.
[…]

……

O link para o documento…

http://www.migalhas.com.br/arquivos/2014/12/art20141212-04.pdf

Renato Janine Ribeiro – o novo ministro da Educação

janine

“Com a digital do PT, não passa”, com esta frase, Renan encarna o fascismo

Acabo de me deparar com matéria publicada, pelo jornal digital Brasil 247, hoje, 26 de março de 2015.

A matéria informa que Renan Calheiros, presidente do Senado, promete barrar indicados do poder executivo que tenham a “digital do PT”. E isto é extremamente assustador. É assustador pelo fascismo que encerra. Esta força que insiste em fazer morada entre alguns poderosos mundo afora e Brasil adentro.

No fascimo, raças consideradas superiores devem obter espaço deslocando ou eliminando aquelas consideradas inferiores. Na variação proposta pelo ocupante do cargo de Presidente do Senado, Renan Calheiros, a raça indigna são os membros do PT ou qualquer um que tenha afinidade pelas ideias defendidas pelo PT. Ou mesmo, tenha se manifestado a favor do PT, ou em defesa do PT em situações de agressão contra esta agremiação.

Ora, diante da sugestão do nome de Luiz Edson Fachin, foi assim que, informa o Brasil 247, Renan Calheiros reagiu. Luiz Fachin é advogado e professor de Direito Civil da Faculdade de Direito do Paraná. Mestre e doutor pela PUC de São Paulo. Sua obra é pedra angular da discussão sobre a dignidade da pessoa humana. É um dos maiores nomes do Direito Civil, e tem vasta obra.

Acontece que Renan Calheiros considera que ele tem a “digital do PT” porque tem ligações históricas com a CUT e o PT.

Bem, digamos que possa se dizer isto. Que Luiz Fachin tenha “digital do PT” por estes motivos. O que o senador Renan Calheiros está produzindo é uma ação fascista por qualquer abordagem que se analise. Pois ou está sendo fascista em relação ao PT, e ainda promovendo casuísmo, porque estaria afirmando que o PT é pior (inferior) aos demais partidos. Se tivesse a “digital” de outro partido, então não teria problema. Ou, de igual forma fascista e perigoso, poderia complementar que não pode ter a “digital” de nenhum partido. E neste caso estaria afirmando que os partidos políticos e seus afiliados e simpáticos seriam inferiores. É uma tese ainda mais complicada porque estaria ainda criminalizando a própria ação política. E se é o caso deveria pedir para ser preso, ou impedido ao exercício da vida pública.

Não, senhor senador Renan Calheiros, a sociedade não aceita fascistas.

Há ainda mais um aspecto. Os critérios para a escolha de ministros para compor o Supremo Tribunal Federal. A Constituição da República Federativa do Brasil trata disto no seu artigo 101.

Art. 101. O Supremo Tribunal Federal compõe-se de onze Ministros, escolhidos dentre cidadãos com mais de trinta e cinco e menos de sessenta e cinco anos de idade, de notável saber jurídico e reputação ilibada.

E é a isto que o senhor Renan Calheiros e os demais membros do Senado deveriam se ater. Mas descaradamente, o presidente do senado confessa segundo informa a mídia que não seguirá este protocolo. Irá inovar. Irá colocar novos critérios na escolha. Agirá em desconformidade à Constituição. Agirá fora da Lei.

O que mais é preciso para que seja investigada esta denúncia que a mídia trouxe hoje, e que seja aberto um processo contra este senhor?

Ou será que agora os representantes do povo podem agir de forma ilegal e fascista tão descaradamente e publicamente?

renan calheiros fascista